terça-feira, 12 de maio de 2020

Um bate-papo sobre o "Zé Ninguém"

Incrível como a vida nos serve de momentos inesquecíveis!

Há poucas semanas recebi uma mensagem da Neila, a qual não conhecia até então, me perguntando se eu seria o autor do livro "Diário de um Zé Ninguém". "Como é?", pensei. Mas sim, era uma pessoa fora do meu círculo que conhecia um dos meus livros e, não apenas isso, faz parte de um grupo de leituras que leria meu livro. Foi uma sensação muito nova, muito gratificante e entusiasmante! 

Na última quinta-feira, tive a excelente oportunidade de participar de um bate-papo com essas pessoas incríveis sobre meu livro: sensacional! Uma experiência sem igual em que puder ter perceber a extensão do meu trabalho na vida das pessoas, que, para mim, é a coisa mais importante.

Há tempos não escrevo, mas também há tempos (menores que o primeiro), urge a necessidade e este momento vem como um baita empurrão!
Deixo meus agradecimentos sinceros e profundos à Neila, Cristiane, Ane Elyse, Letícia e ap Roque: obrigado pessoal!

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

domingo, 11 de março de 2018

Recomendação - Fernando Coimbra

Resultado de imagem para noite de estrelasEm outubro do último ano, recebi um e-mail muito interessante. Tratava-se de uma pessoa que havia lido meu livro Diário de um Zé Ninguém e isso é muito gostoso, poder conversar e saber de comentários de alguém que te leu e não é nenhum de seus familiares e nem amigos próximos. O nome de é Fernando Coimbra e disponibilizou e autorizou a divulgação de suas obras aqui neste post.


O mais interessante, é que ele também escreve e me apresentou uma obra que faz referências, não só na dedicatória, como também ao conteúdo desse meu livro. A obra é "Noites de Estrelas" (listada abaixo em sua antologia) a qual tive o prazer de ler e me surpreender. Obra pesada, forte carga emocional, recomendo!
Também recomendo Meu Pedacinho de Terra, Meu Pé de Serra

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Lançamento Jardim de Cimento

No último sábado, dia 25 de junho, em Santa Gertrudes, foi lançado oficialmente o álbum Jardim de Cimento da banda Eletrodoméstico, composta pelos meus grandes amigos José Roberto e Rangel Barel.

Além de ótimas músicas, o evento teve um tema importante: a confirmação e renovação das nossas raízes gertrudenses.

Realizado no anfiteatro municipal Leandro Filier Neto (Larry), teve as participações - mais do que especiais - de convidados e amigos gertrudenses: o coral Guri, a banda Monallizza, Boró - o Belo e eu.

Foi uma noite muito especial:

“[...] um jardim perfeito, imutável, de cimento. Essa ideia reverbera na perfeição calculada dos centro urbanos” - Rangel Barel

A minha participação na abertura da música Jardim de Cimento:


Agradeço e parabenizo a todos os amigos, ao Eletrodoméstico e à organização por este grande momento!

Abraços!


domingo, 5 de junho de 2016

É Mais ou Menos Assim:


Você vive com sua família: seu pai, sua mãe, Joana, e seus dois irmãos.

Seu pai é o chefe da família, ele é o responsável pelas decisões que afetam a todos.

Todos vocês contribuem financeiramente para as contas, porém continuam devendo na padaria, no botequim e no açougue.

Seu pai anuncia que será preciso fazer cortes: sobremesa e refrigerantes somente aos sábados, internet nem pensar, presentes, se der, nos aniversários - apenas uma lembrancinha!

Você pensa que poderá contornar a situação com o pouco que sobre do dinheirinho que ganha, mas seu pai anuncia que cada um terá que contribuir ainda mais dentro de casa. Pra ajudar, seu irmão mais velho chega em casa desempregado
Seu dinheiro, que já vale muito menos, agora terá que cobrir o irmão e as contas da casa, que foram diminuídas.

Diante de tudo isso, seu seu pai tem uma amante e resolve aumentar a "pensão" que dá à ela, resolve também aumentar a mesada que paga ao seu meio irmão (sim, que não precisa contribuir com as contas da casa dele) à ela e decide que vai aumentar a família, com ela, mais um meio-irmão.

Seu pai tem muitos amigos, que estão sempre em torno dele e o ajudam a esconder de você, seus irmãos e sua mãe a infidelidade do pai, além de outros mecanismos questionáveis para sustentar toda a situação, sempre atestando álibis inacreditáveis. Mas estes amigos cobram a sua parte, então, seu pai conta com você, seus irmãos (que o mais velho encontre logo um emprego) e sua mãe para sustentar todas as suas contas e continuar, independentemente de vocês, a viver divertida e prazerosamente a vida com os seus, ou melhor, os deles.

Não é justo? Não, não é, mas o problema é que as pessoas que poderiam fazer com que seja justo, como seus tios e avós, também fazem parte do grupo de “amigos” do seu pai.

Entendeu? E não adianta dizer que a culpa é só do seu pai, não não! Seus avós, paternos e maternos, e os pais deles e os amigos deles, também sempre viveram assim. É mais ou menos assim que se governa o Brasil!

domingo, 24 de janeiro de 2016

A Receita da Tia Thereza

Tia Thereza é tia da minha sogra pelo amor ao esposo, irmão do pai da minha sogra. É tia da minha esposa por genealogia e é minha tia por agregação. Mora em Brotas e, além de esposa, mãe e dona de casa, é uma boleira de mão cheia, fazendo deste seu principal ofício. Ouvi-la falar sobre seus bolos é tão prazeroso quanto comê-los –deve ser esse um dos motivos que lhe dá tanto prazer em fazê-los. Estou falando de bolos enormes, de cores, formas, tamanhos, sabores e recheios de todos os tipos, bolos de aniversário, bolos de casamento, de formatura, bolos da tarde, bolos do café da manhã, bolos, bolos deliciosos.

Gosto de pensar que, por tanto tempo nesta lida, ela foi contaminada pelos seus próprios ingredientes, motivo de tanta doçura em uma pessoa só. Por outro lado, toda sua felicidade, bom humor, disposição e firmeza, diante das adversidades da vida, podem ser seus infalíveis ingredientes secretos.

Mas eu queria contar sobre uma passagem que tivemos juntos: estávamos passando um fim de semana com tios e primos da minha esposa. Estávamos em um rancho, no rancho do tio Sérgio, à beira do rio Tietê em Pederneiras. Não me lembro como ou porque, mas eu e o Juninho, filho do tio Sérgio, estávamos sentados com a tia Thereza, debaixo da mangueira, ao lado da piscina. Fazia muito calor e ela estava lá se refrescando à sombra. Conversa vai, conversa vem, ela começou a nos contar da sua vida com o tio Arlindo, seu marido que falecera havia pouco tempo. Ela nos contava o como havia sido boa sua vida ao lado dele. O como ele a ajudava com os bolos nas compras, organização e preparos dos ingredientes; o como ele a ajudava a desenformar os bolos; da sua habilidade para cortar as camadas que seriam recheadas e novamente empilhadas, o quanto ele era um pai amável e um marido companheiro. Como foi quando se conheceram, quando se casaram, quando tiveram o filho José Luiz. Passamos um longo e agradável tempo ouvindo-a contar, com seu jeito doce, voz macia, gestos ágeis, olhos atentos e emocionados, sobre uma vida praticamente perfeita, ao lado de um esposo praticamente perfeito, que ela resumiu:

- Nossa vida foi muito boa, só teve coisas boas!

Foi emocionante ouvir toda aquela história. Também achei bonito ela terminar com esta afirmação de que só “teve coisas boas”. Mas também achei exagero, confesso. A vida não é fácil, vive nos apresentando dificuldades, nos pondo à prova; ainda mais na convivência de um casal. Ponderei e resolvi entender como um saudosismo de uma doce senhora que acabara de tomar um grande golpe da vida, que preferia contá-la assim, a se conformar e também a honrar o que haviam vivido.

Então, ao notar nossas inexperiências estampadas em nossos rostos, ela nos olhou diretamente nos olhos, com uma expressão séria e, num tom firme e didático, disse, pausadamente:

- Nossa vida só teve coisas boas! Não teve nada ruim!

Sem ter o que dizer e percebendo a insistência exatamente neste ponto, apenas concordei com um “Que bom, né tia?”. Inocente eu, sábia ela!

Tendo garantido nossa atenção, ela recostou-se na cadeira, retomou a doçura do olhar, mas sem perder a firmeza na voz:

- Nossa vida só teve coisas boas... porque as ruins a gente esquece!

E para mim aquilo foi como que um soco no estômago! Não era saudosismo nem conformação alguma, mas uma forma inteligente, sábia, de se entender com a vida. Algo tão simples e tão forte que fez tantas mágoas, ressentimentos, tristezas e rancores passaram pela minha cabeça naquele exato momento! Tantas coisas ruins carregadas no coração. Tanta energia gasta remoendo inutilmente o passado. Tantas culpas, tantas acusações, tantos arrependimentos, tantos aborrecimentos que ainda estavam vivos dentro de mim!

Isso mexeu muito comigo! Algo tão simples, tão forte, tão verdadeiro, tão fácil! Desde então, tento manter isso vivo comigo, como uma lei, um dogma. Tento viver isso de verdade, tento deixar exposto em mim. Tenho levado para alguns textos, alguns contos, contado para amigos e para familiares.

Menos do que deveria é o quanto aplico nos meus dias, mas me esforço para que seja cada vez mais. Enquanto isso, mantenho vivo em mim este eco que garante a continuidade: “As ruins a gente esquece! As ruins a gente esquece! As ruins a gente esquece!”

Esta receita serve todas as pessoas e rende sorrisos e união! Sirva à vontade!

domingo, 20 de dezembro de 2015

Pra Fechar o Ano com Chave de Ouro

E para fechar o ano com chave de ouro, uma grande homenagem dos companheiros da Bookstart pelo sucesso que foi a campanha Nanodicionário. E eu compartilho essa alegria com todos vocês que são os responsáveis por esta conquista!

Obrigado a todos os amigos que confiaram, apoiaram e indicaram!

Desejo a todos um ótimo Natal e muita força, paciência e sabedoria para este Ano que já começa recheado de desafios!

Abraços!!

Um bate-papo sobre o "Zé Ninguém"

Incrível como a vida nos serve de momentos inesquecíveis! Há poucas semanas recebi uma mensagem da Neila, a qual não conhecia até então,...